Dicas de Segurança

Os principais riscos da Industria Cerâmica e como prevenir acidentes

  • 09/01/2018
  • 0 COMENTÁRIOS

Tanto empregadores quanto empregados da indústria cerâmica devem dar atenção a importância do uso de proteção coletiva e individual, ou seja, dos EPIs e EPCs. De acordo com especialistas, algumas medidas a nível de proteção coletiva nessa área incidem, por exemplo, na utilização de sistemas fechados e automatizados, ter ventilação adequada (preferindo a ventilação local à geral), humidificação, diminuição do número de tarefas nas áreas mais problemáticas, ferramentas manuais versus automáticas (em áreas abertas), sinalização adequada e serviço de lavandaria para as fardas; além da monitorização da exposição e vigilância médica.
De acordo com recente publicação da revista Proteção, as principais questões que afetam o setor cerâmico são a exposição a diferentes riscos laborais durante as etapas de fabricação de cerâmica vermelha, a produção acelerada para atendimento ao mercado nas empresas de pequeno e médio porte e a localização geográfica sujeitando trabalhadores a intenso calor e poeira. As olarias funcionam, em alguns casos, em condições extremamente precárias com relação à segurança e saúde, sem a devida proteção de máquina e do trabalhador e com instalações elétricas inadequadas. Em algumas indústrias cerâmicas pode-se dizer que quase não há contato do operador com a matéria-prima, pois o processo quase totalmente automatizado reduz a quantidade de mão de obra e aumenta consideravelmente a qualidade do produto, garantindo padronização da produção.
De acordo com a mesma publicação, em artigo de 2012, nenhum estudo consultado na época apresentou uma lista completa de EPI (equipamentos de proteção individual) a utilizar em cada posto deste tipo de indústria. Contudo, um dos trabalhos selecionados avaliou o seu uso e concluiu que a maioria dos funcionários não os utilizava, mesmo considerando apenas luvas e máscaras1. Genericamente poder-se-ão considerar também o uso de uma farda/ bata/ avental, touca, viseira, calçado com reforço superior de aço e/ ou impermeabilizado, ainda que não mencionados diretamente.

A revista Proteção também divulgou um estudo (de 2012) em seu site, no qual destaca que os riscos de acidentes e doenças nos ambientes de trabalho no setor da indústria da cerâmica vermelha no Brasil não é de conhecimento público. Segundo a publicação, existem poucas pesquisas de conteúdo técnico em Segurança e Saúde no Trabalho realizadas no setor e escasso material bibliográfico específico.

(Fonte/pesquisa: http://www.protecao.com.br/upload/protecao_protegildo/157.pdf)