Artigos Técnicos

Luvas de proteção: tipos de fios e suas características

  • 14/12/2017
  • 0 COMENTÁRIOS

O mercado de trabalho com diversos setores de atividades possuem necessidades específicas quando o assunto é luvas de proteção. Sabemos da importância das luvas como EPI e que elas são essenciais para os diversos tipos de atividades. Alguns tipos de luvas de proteção são mais comercializadas no mercado porque atendem as demandas de uma maneira mais ampla. As luvas de proteção possuem características técnicas sobre os tipos de fios em sua composição. E além das características há também diferenças na tricotagem.

O consultor técnico e comercial da Yeling, Felipe Luiz Buschle, destaca “a luva de algodão é a mais comercializada na linha tricotada, o algodão é a fibra natural mais utilizada no mundo todo, por conta de sua maleabilidade e resistência a rasgamento. Já nas demais linhas da Yeling as sintéticas predominam, como poliéster, poliamida, polietileno, fio de aço, entre outros”.

Dentre as fibras sintéticas que também são muito utilizadas, as luvas de poliéster e poliamida (helanca) atendem vários segmentos. O analista de qualidade e normatização da Yeling, Guilherme Pereira destaca as principais diferenças. “As luvas de poliéster ou poliamida são basicamente utilizadas nos mesmos segmentos, pois os fios possuem semelhanças e apresentam uma boa resistência. O que muda de uma para outra é que as luvas de poliéster apresentam uma menor elasticidade com relação às luvas de poliamida, sendo a poliamida um pouco mais elástica que o poliéster, apresentando uma maior maleabilidade. O poliéster também tem esta maleabilidade, porém não tanto quanto a poliamida. Em contrapartida as luvas de poliéster apresentam um melhor desempenho em atividades mais abrasivas”, explica Guilherme.

Fios de aço e Aramida

Outros tipos de luvas atendem demandas específicas como atividades que exigem resistência à corte e resistência térmica. As luvas de fio de aço são utilizadas nas atividades da indústria que trabalham com o manuseio de chapas com arestas cortantes, por exemplo. O analista Guilherme Pereira destaca que por ser o fio de aço, um fio mais rígido, a Yeling tem como foco fornecer também, além da resistência ao corte, o máximo de conforto ao usuário. “No processo fabril, são inseridas algumas fibras sintéticas junto da composição desta luva proporcionando assim um maior conforto na hora de calçar e utilizar a luva por um longo período de tempo”.

Já as luvas confeccionadas com a fibra de aramida são utilizadas para atividades que exigem resistência à corte, mas também para atividades de resistência térmica a altas temperaturas. A aramida depende da forma como é tricotada, e isto pode potencializar o efeito da proteção térmica. A Yeling usa em alguns produtos uma tricotagem chamada de grafatex. “O ponto grafatex é uma forma diferenciada de tricotar o produtor, em termos de níveis de resistência térmica, por exemplo, as luvas utilizando fios de aramida com esta tricotagem podem apresentar uma resistência de até 350°C de calor de contato por até 15 segundos. Ele age criando bolsas de dissipação de calor, mantendo as mãos do usuário protegidas por mais tempo”, esclarece Guilherme.

 PRINCIPAIS FIBRAS TÊXTEIS UTILIZADAS PELA YELING

tabela_ART_3